Estruturar um bom plano alimentar: receitas, opções de alimento e mais

Atendimento Nutricional

Estruturar um bom plano alimentar: receitas, opções de alimento e mais

dietwin
Escrito por dietwin em 3 de outubro de 2017
TABELA NUTRICIONAL

Quer saber como montar tabelas nutricionais de maneira rápida sem ter que fazer cálculos? Informe o seu e-mail e pressione o botão ao lado.

Ao estruturar um bom plano alimentar, alguns pontos importantes devem ser observados, como conciliar a rotina e o perfil de cada paciente, a variedade de receitas, a prática de atividades físicas e os objetivos a serem alcançados.

O nutricionista deve conhecer bem seu paciente e utilizar de diferentes metodologias para fazer um plano personalizado, que ele seguirá de fato — e não vai abandonar quando se cansar.

Quer saber como estruturar um bom plano alimentar? Então acompanhe nosso artigo. Além das dicas, trouxemos algumas dietas e opções de alimentos excelentes para a saúde!

Conheça o perfil do seu paciente

O nutricionista deve investigar além das informações nutricionais de seu paciente, procurando saber como é sua rotina diária, em casa e no trabalho. Dessa forma, fica mais fácil criar um plano que o paciente se adapte.

A parceria entre paciente e nutricionista é essencial para conseguir atingir os objetivos da mudança. Algumas perguntas importantes a serem feitas são os horários de cada refeição, horário de estudo/trabalho e intervalos, quais atividades físicas ele tem praticado e a duração, além da qualidade de sono.

É importante, também, avaliar as dietas e os planos alimentares anteriores, descobrir quais deram errado e o motivo do paciente ter abandonado, para que isso não volte a acontecer. O nutricionista deve estar atento ao histórico nutricional de seus pacientes para, a partir dele, elaborar um novo plano alimentar.

Durante essa parte da elaboração, é fundamental investigar sobre o uso de medicações — em especial aquelas para emagrecer — e sobre transtornos alimentares, depressão e insatisfações em geral com o corpo.

Além das mediações, é necessário questionar sobre as alergias ou intolerâncias, prevenindo qualquer dano à saúde do paciente com o novo plano alimentar. A lactose e o glúten, por exemplo, estão entre os alérgenos mais comuns no consultório

Dieta sem glúten

As fontes de glúten são a farinha de trigo, centeio, cevada e aveia e, portanto, precisam ser retiradas da dieta. Devem ser acrescentados legumes, frutas, verduras e raízes, como fontes de energia. Essa é uma dieta que diminui a retenção de líquidos, levando à perda de peso, sendo fundamental para pacientes celíacos.

Dieta sem lactose

Ela se baseia nos mesmos princípios da dieta sem glúten, retirando leite e derivados no lugar das farinhas e grãos. Alguns alimentos que devem ser evitados são iogurte, queijos, manteiga e creme de leite, que podem ser substituídos pelo leite de soja ou pelos produtos “zero lactose”.

Monte um cardápio diversificado

Comer as mesmas coisas todos os dias é uma das principais reclamações dos pacientes dentro do consultório, que se cansam da rotina e abandonam o plano alimentar. Por isso, é essencial criar um plano que ofereça uma variedade de alimentos, colocando mais de uma opção por refeição, para que haja uma escolha. Dessa forma, os cardápios não se tornam repetitivos e são mais facilmente seguidos.

Conheça alguns alimentos que ajudam no emagrecimento

Vegetais verde-escuros

Dentro desse grupo podemos destacar a couve, o brócolis e o espinafre, que ajudam a perder peso. São alimentos de baixa caloria, pouca gordura e alto teor de fibras, que aumentam a sensação de saciedade.

Óleos vegetais

Os óleos de girassol, canola, azeite e, principalmente, de coco são ótimos exemplos desse grupo. São alimentos que ajudam no emagrecimento por oferecerem grande quantidade de HDL (gorduras boas) e ajudarem na redução do LDL (gorduras ruins).

Chá verde

O chá verde possui cafeína e catequina, excelentes para acelerar o metabolismo e reduzir a gordura corporal. Possui também propriedades antioxidantes, que ajudam a manter a saúde do organismo.

Temperos

Dentro desse grupo podemos destacar o gengibre, a mostarda e a pimenta, que são ótimos termogênicos. Isso quer dizer que eles possuem substâncias que aumentam a temperatura do corpo e o metabolismo, acelerando o emagrecimento.

Como você pôde perceber, elaborar um bom plano alimentar demanda conhecimento e pesquisa dos alimentos e de receitas que seja condizentes com a rotina e os gostos dos seus pacientes.

Gostou desse artigo? Então não perca mais nenhum conteúdo: assine nossa newsletter e fique por dentro!

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dúvidas? Entre em contato

Realizamos o suporte via e-mail.