O que levar em conta para fazer um atendimento personalizado

0

Fazer dieta não é uma tarefa fácil e, para o nutricionista, que precisa convencer o paciente de que isso é necessário, é ainda mais complicado. Sugerir ao paciente que ele resista às tentações dos finais de semana e que mude seus hábitos alimentares, na maioria das vezes, não é visto com bons olhos pela maioria das pessoas, sendo que, em muitos casos, alguns preferem até fugir da consulta. Por outro lado, dentre aqueles que procuram ajuda, muitas pessoas se queixam da falta de atenção de alguns profissionais em adequar a dieta à realidade de cada paciente.

Sem dúvida, não levar em consideração as necessidades reais e específicas de cada pessoa é um fator que contribui para que o paciente não siga a dieta corretamente. Pensando nisso, listamos a seguir algumas dicas do que levar em conta para fazer um atendimento personalizado. Acompanhe:

Análise dos hábitos alimentares

Uma das primeiras etapas a serem consideradas na avaliação do seu paciente é saber o que ele come no seu dia a dia, pois isso será muito importante para entender a qualidade da sua alimentação e os nutrientes que, comumente, ingere. Além da informação qualitativa, é muito importante tomar conhecimento da quantidade de refeições ingeridas ao longo do dia e do prato montado a cada refeição, pois isso facilitará a compreensão e a elaboração de uma estratégia de reeducação alimentar.

No seu consultório você poderá utilizar alguns materiais que irão facilitar essa análise de forma visual e mais assertiva, como:

  • Réplicas de alimentos com tamanho, cor e textura iguais aos originais;
  • Utensílios de cozinha, como pratos, talheres, copos e xícaras de diferentes tamanhos;
  • Álbuns fotográficos de porções alimentares;
  • Rótulos de alimentos industrializados.

Avaliação do histórico clínico

Para um atendimento personalizado é muito relevante considerar o histórico clínico do indivíduo, assim como o histórico de doenças na família. Peça ao seu paciente que leve à consulta os exames recentemente realizados, para que seja possível ter uma noção geral do quadro clínico e das condições fisiológicas do indivíduo.

É importante ter conhecimento sobre a condição geral de saúde do paciente para que, no caso de presença de alguma doença, possa prescrever uma dieta específica com o objetivo de auxiliar no tratamento da doença ou de prevenir uma condição iminente. Além disso, é importante saber se, no momento, o paciente faz uso de alguma medicação específica e avaliar a possibilidade de interações medicamentosas com os nutrientes da dieta.

Avaliação Antropométrica

Outra informação essencial, que deve ser coletada no momento da consulta, é a antropometria do paciente, pois esse marcador é muito útil para o acompanhamento da evolução do paciente no tratamento.

Os itens principais que compõem a avaliação antropométrica são:

Verificar o gasto energético atual

Para uma correta avaliação da condição do paciente, não basta avaliar sua ingestão calórica, mas também avaliar o seu gasto de energia. Assim, é importante saber se o indivíduo faz prática de exercícios físicos regulares, o tipo de exercício e a frequência em que ele é realizado. A partir disso, será possível indicar um pouco mais ou um pouco menos de calorias no seu cardápio diário. Caso ele não pratique exercício físico algum, é conveniente orientá-lo a procurar um especialista para iniciar algum tipo de atividade adequada à sua condição física.

Elaboração de uma dieta personalizada

Com todos os dados coletados, agora é hora de elaborar uma dieta personalizada para o seu paciente. Para isso, deve-se considerar, além dos dados clínicos e antropométricos, a condição socioeconômica do paciente e as suas preferências alimentares. Sugerir alimentos que não agradam o paladar do paciente ou que não condizem com o seu orçamento é um risco muito grande de jogar todo o trabalho no lixo.

Por fim, estabeleça metas a curto, médio e longo prazo, junto ao paciente, para que seja possível acompanhar a evolução e a adesão ao tratamento. O estabelecimento de metas faz com o paciente encare os objetivos traçados como um desafio, facilitando a sua adesão e fazendo com que ele siga focado na dieta.

Gostou das nossas dicas de hoje? Tem mais alguma sugestão de como personalizar o atendimento de seus pacientes? Conta pra gente nos comentários!

Comente aqui

Seu endereço de email não será publicado.